E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




São Paulo e Rio têm os bairros mais caros do País e levam compradores a outras regiões
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site
Carlos Massini - Presidente CICOM Cooperativa  Habitacional
Carlos Massini - Presidente CICOM Cooperativa Habitacional

Bairros em desenvolvimento oferecem boas opções de moradia, estão se valorizando e oferecem opções diferentes de pagamento
As cidades de São Paulo e Rio de Janeiro concentram os bairros com o metro quadrado mais caro do País. O bairro com custo mais elevado do Brasil é o Leblon, no Rio, que tem uma média de valor de R$ 21.612,59 por metro quadrado. O segundo lugar no ranking fica com o bairro paulistano de Vila Nova Conceição, que atinge 20.569,77.
Os dados foram apurados em um levantamento feito pela empresa de inteligência imobiliária DataZAP+, que mostrou o tradicional campeão da lista, o bairro paulistano Cidade Jardim, cair para a 5ª posição – tendo o metro quadrado desvalorizado 25,5% em um ano. Essa queda, segundo o estudo, reflete uma tendência geral de desaceleração dos preços nas regiões mais caras como consequência da instabilidade econômica, aumento dos juros e encarecimento do crédito imobiliário.
Confira o ranking de 2021:
• 1º Leblon (RJ) – R$ 21.612,19.
• 2º Vila Nova Conceição (SP) – R$ 20.569,77.
• 3º Ipanema (RJ) – R$ 18.910,03.
• 4º Jardim Paulistano (SP) – R$ 17.290,33.
• 5º Cidade Jardim (SP) – R$ 16.955,21.
• 6º Vidigal (RJ) – R$ 16.616,66.
• 7º Vila Olímpia (SP) – R$ 16.517,19.
• 8º Lagoa (RJ) – R$ 16.463,65
• 9º Ibirapuera (SP) – R$ 16.451,16
• 10º Jardim Botânico (RJ) – R$ 15.893,87
Uma característica, porém, precisa ser ressaltada: desde o início da pandemia, os moradores dos grandes centros urbanos têm apresentado mudanças em suas rotinas, adquirindo novas prioridades em decorrência da prática do home office. Com isso, alguns fatores passaram a ser mais valorizados, como a proximidade a áreas verdes e o acesso fácil a infraestrutura descentralizada (comércio, serviços, saúde e comodidades oferecidos em bairros mais afastados do centro).
“O maior fator de influência para as quedas de preço certamente tem relação com a necessidade que as pessoas apresentaram durante a pandemia de viver em um ambiente cômodo e funcional, que tenha mais área útil e possibilite a realização de atividades profissionais em meio ao conforto do lar – sem deixar de lado o contrato com a natureza”, analisa Carlos Massini, presidente da CICOM Cooperativa Habitacional.
E o cálculo é simples. Um apartamento de 60m² no bairro mais caro de São Paulo custaria mais de R$ 1,2 milhão. É um valor inviável mesmo para uma família de classe média-alta, que teria dificuldade até para conseguir financiamento nesse valor. “Isso leva os interessados a comprar imóveis em outras regiões, que também têm muitos atrativos e infraestrutura. Além de oferecerem serviços e possibilidades na mesma medida, cabem no orçamento das famílias e entram numa faixa em que existem mais opções de pagamento”, relata o executivo da CICOM.
Massini se refere, em especial, ao cooperativismo habitacional, que oferece alternativas aos interessados em adquirir um imóvel por meio do associativismo. Nessa modalidade, um apartamento tem custo inferior ao oferecido pelo mercado convencional e, ainda, possui condições de pagamento facilitadas, que atendem as mais diversas faixas de renda e permite até mesmo o crédito direto.
“Por oferecer funcionalidade, estrutura de ponta, áreas de lazer e comodidades em locais com muita área verde em projetos sustentáveis que se adaptam às mais diversas necessidades, um imóvel adquirido por meio do cooperativismo abriga a realização de sonho de diferentes grupos, que têm acesso a preços justos num apartamento que tem tudo o que uma família pode querer”, explica Massini.
Um exemplo é empreendimento Residencial Fazenda da Serra, que a CICOM realiza em Guarulhos (SP). Além de estar em uma das cidades com maior potencial de investimento em todo o Brasil, vizinho da capital econômica do País e com acesso facilitado ao maior aeroporto da América Latina e aos mais importantes meios de transporte ao litoral e interior do Estado, possui unidades disponíveis com varanda, muita área útil e espaços de lazer que atendem a todas as idades.
“Morar bem não significa viver numa região cara. Existem bairros nos grandes centros que estão em pleno crescimento e que, se seguirem a tendência de modernização e de oferecimento de serviços que vêm apresentando, podem futuramente passar a ser mais valorizados que os mais tradicionais”, conclui o diretor da CICOM.

Sobre a CICOM
A CICOM Cooperativa Habitacional nasceu do sonho de transformar um objetivo em realidade: ajudar a reduzir o déficit habitacional do País, reconhecendo que todos podemos ser ferramentas poderosas para a solução e atendimento de uma causa. Moradia é um direito de todo cidadão, por isso, a CICOM desenvolve projetos voltados à área de habitação sob dois processos: a construção de empreendimentos imobiliários através do cooperativismo e a adequação de moradias em estado irregular a partir da regularização fundiária. Na CICOM os objetivos são comuns a cada comunidade atendida, e a responsabilidade é compartilhada, solidária e colaborativa.

Editorias: Construção e Arquitetura  Economia  Imóveis  Serviços  Sociedade  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: AIS COMUNICAÇÃO E ESTRATEGIA  
Contato: Ligia Gabrielli  
Telefone: 41-30537228-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.