E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Estudo inédito revela impactos socioeconômicos dos Institutos de Ciência e Tecnologia Privados no Brasil: setor gerou mais de R$ 24,7 bi em receita e 156 mil empregos em 2020
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site

Com apoio da ABIPTI, levantamento da Deloitte analisou atuação de 17 ICTs de destaque dos setores de Tecnologia da Informação e Comunicações (TIC) e Energia

São Paulo, 07 de outubro de 2021: Baseado em informações e dados de 17 Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs) relacionados à Tecnologia da Informação e Comunicações (TIC) e Energia, o estudo Impacto de Institutos de Ciência e Tecnologia Privados no Brasil revela pela primeira vez as repercussões socioeconômicas e relativas à geração de tecnologia das entidades de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) focadas no amparo ao setor privado no país.

Com apoio da Associação Brasileira de Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (ABIPTI), o levantamento foi conduzido pela Deloitte e contou com a participação dos seguintes ICTs de alta representatividade: Atlântico, BRISA, Fundação CERTI, CESAR, CPQD, Instituto Eldorado, FIT – Instituto de Tecnologia, FITec, Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel, INDT, Instituto de Pesquisa do Centro Universitário Facens, Instituto Recôncavo de Tecnologia (IRT), Lactec, Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC), NEPEN, SiDi e Venturus Centro de Inovação Tecnológica.

De acordo com o estudo, as atividades realizadas pelos institutos combinadas às tecnologias e conhecimentos produzidos adicionaram à economia R$ 6,2 bilhões em 2020, além de gerar mais de R$ 24,7 bilhões em receita total e 156,9 mil empregos. A pesquisa aponta também que mais de R$ 5,9 bilhões foram arrecadados em tributos decorrentes das ações das entidades nas esferas federal, estadual e municipal.

Entre 2018 e 2020, as dez áreas de conhecimento mais recorrentes entre os projetos de PD&I realizados pelos ICTs participantes foram as de Processamento em linguagem natural - NLP, Analytics e Business Intelligence, Rede de dados, Comunicação móvel, Redes de Comunicação e 5G, Cloud Computing, Inteligência Artificial e Machine Learning, Internet das Coisas, Eletrônica embarcada em Consumer Electronics, Circuitos integrados e Sistemas Eletrônicos, e Controle, Automação e Robótica.

Atendendo a clientes em mais de 30 setores, os ICTs privados se concentram no segmento de Tecnologia da Informação, Produtos Eletrônicos e Ópticos, que responde por 47% do volume de contratos. Mesmo com conhecimento especializado e globalmente pertinente, os institutos atuam em grande parte para clientes que operam no Brasil - apenas 5% deles estão no exterior.

O material destaca ainda que os mecanismos de fomento e incentivos correspondem à maioria dos recursos que financiam os projetos de PD&I e serviços especializados no país - 54% foram provenientes da Lei de Informática no ano passado.

Com base na avaliação dos principais projetos de PD&I desenvolvidos pelos ICTs privados, o levantamento destacou a presença de tecnologias relevantes e de equipes de colaboradores altamente qualificados nos institutos analisados. Segundo os dados apurados, entre os funcionários dedicados à atividade de produção de conhecimento (o que equivale a 85% do quadro total), 12% dos profissionais são pós-graduados, enquanto 13% são mestres e doutores.

As informações compiladas pela Deloitte enfatizam o papel relevante dos ICTs na academia e para as empresas: além da publicação de centenas de artigos técnico-científicos e dissertações de mestrado por ano e importantes desenvolvedores de patentes, os institutos já ajudaram na estruturação de mais de 550 startups de diversos setores, principalmente as voltadas à Tecnologia da Informação.

“O estudo confirma o importante papel que os Institutos de Ciência e Tecnologia Privados desempenham no Brasil, tanto no aspecto de pesquisa, desenvolvimento e inovação, quanto econômico. As conclusões revelam não só as capacidades e potencialidades que o setor tem para contribuir com as empresas, mas também as oportunidades que o país possui para alavancar o ecossistema de inovação nacional como um todo”, afirma Paulo Rogério Foina, presidente da Associação Brasileira de Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (ABIPTI).


Editorias: Ciência e Tecnologia  Informática  Internet  Telecomunicações  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Pimenta Comunicação  
Contato: Alex Nicolau  
Telefone: 011-2858-9192-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.