E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Outubro Rosa: a luta não pode pararapesar da pandemia
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site
Divulgação
Divulgação

Segundo Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de mama é o que mais atinge as mulheres no Brasil e no mundo. Desde os anos 90, o mês de outubro é conhecido mundialmente como o período reservado para a campanha de prevenção e diagnóstico precoce desta doença.

A professora do curso de Enfermagem da Estácio Goiás, Christina Souto ressalta que o Outubro Rosa tem o objetivo de chamar a atenção das pessoas sobre a necessidade da realização de exames rotineiros e o autoexame, que ajudam a identificar previamente o câncer de mama.

Christina comenta sobre a praticidade em realizar o autoexame. “O toque é importante e pode ser feito em qualquer momento, horário ou dia, além de fazer com que a mulher conheça melhor o seu próprio corpo. Despertando assim, a atenção da mulher para procurar mais cedo um médico, caso perceba alguma alteração”, revela.

A professora revela ainda sobre a importância de ter hábitos e uma rotina saudável. “As mulheres que se alimentam bem, evita o excesso de gorduras e carboidratos, e realiza a prática de exercícios físicos, tem menos possibilidade de adquirir certas doenças no futuro”, explica Christina.

Para Tainara Sardeiro, coordenadora do curso na Estácio Goiás, é possível identificar sintomas iniciais, como caroço, nódulos, secreção mamária, edema, vermelhidão pele descamativa, bico do peito repuxado e mudança na posição do bico. Ao serem encontrados algum desses sinais, a mulher deve procurar auxílio médico.

Mesmo durante a pandemia do novo coronavírus é imprescindível que as mulheres participem da campanha e incentivem o autocuidado. Uma pesquisa realizada pelo Inca estima que em 2020 a incidência de tumores mamários em mulheres é de 29,7%, o que equivale a 66.280 novos casos só este ano.

“A pandemia gera uma sensação de insegurança e muitas mulheres deixaram de ir ao consultório para fazer seus exames de rotina por não se sentirem seguras. Isso é natural, mas é preciso retomar o rastreamento o quanto antes para evitar casos avançados no futuro”, explica a professora Tainara.

Sendo assim, Tainara deixa a dica do dia-a-dia: é dever de toda mulher conhecer o seu corpo e preservar sua saúde.

Editorias: Feminina  Saúde  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Ana Caroline Feitosa de Assis  
Contato: Ana Caroline Feitosa de Assis  
Telefone: --

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.