E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Vacina contra COVID ainda não tem, mas contra Fake News está aqui!
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site
Vacina contra COVID ainda não tem, mas contra Fake News está aqui!
...

Enquanto a população inteira espera uma vacina contra a COVID-19, outra pandemia silenciosa está afetando nossas vidas há tempos e se chama: Fake News. A diferença é que, ao contrário do coronavírus, aqui tem como se proteger de maneira segura. Todos sabem que nem tudo que está nas redes socais é verdade.

A “pandemia” de notícias falsas é tão impactante e nociva que até mesmo o Senado aprovou o texto-base do Projeto de Lei 2630/20 - que está em debate na Câmara de Deputados - para o combate às notícias falsas em redes sociais e nos serviços de mensagens.

Enquanto não chega a “vacina” oficial, o jornalista e assessor de imprensa da KAKOI Comunicação, Aroldo Glomb, preparou uma “vacina” eficiente contra Fake News:

“Notícias falsas sempre estiveram presentes, mas a diferença é que antes não havia redes sociais para propagação em massa. E inclua neste pacote, textos e frases tiradas de contexto, fatos antigos manipulados, vídeos falsos,  montagens de fotos, áudios supostamente gravados de aplicativos e por aí vai. Em época de eleições, o perigo aumenta com políticos e apoiadores divulgando o que for para destruir. As consequências são perigosas, afetam a cidadania e destroem pessoas e empresas”.




Saiba como estar “vacinado” contra Fake News e esteja imune nas redes sociais

Pare e respire antes de compartilhar
A ansiedade é o gatilho principal. Quando a pessoa lê algo que seja emotivo, que mexe com o seu lado emotivo, as chances de disparar tal notícia sem verificar é enorme. Verifique se a notícia é realmente verídica em sites verificadores, como o E-farsas, por exemplo.

Busque os números factuais para não espalhar notícias falsas e fique de olho em situações absurdas: “Se quiser divulgar algo sobre a COVID-19, cheque o site da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou do Ministério da Saúde. E basta usar simples lógica”.

Portanto respire antes de compartilhar que a terra é plana ou que determinado candidato desviou o dinheiro da merenda da sua cidade. Não compartilhe nada por impulso.




Não custa checar
Se uma  notícia parece sensacionalista ou fora da realidade e estiver creditada aos grandes veículos, pense que portais como Grupo Estado e Folha vão rotular se o artigo é uma opinião do escritor, dando os devidos créditos para um especialista quando há um determinado fato. Portanto, é apenas opinativo, e não informativo;

“Agora, caso determinado conteúdo tiver origem em um site que você nunca ouviu falar, geralmente nomes esdrúxulos como Patriotas Engajados, Brasil 876 e Vermelhos Agora, veja qual é a intenção desse site. Se eles tem um “sobre nós” ou algo assim. Desconfie de blogs com nomes carregados em viés ideológicos”.

Imagem é tudo
As logos e as imagens dizem muito sobre o site. Tem gente que tenta criar páginas falsas com logos famosas só para confundir ou, então, usar o mesmo layout de um portal famoso:

“Aí fica fácil descobrir a falcatrua. Por exemplo, se você desconfiar de uma suposta página da CNN Brasil ou do portal Terra com origem duvidosa, basta entrar página oficial e ver se a informação está lá.  Se estiver complicado achar, use o Google. Se for falso, você vai descobrir.”

Outros artigos ou notícias
Se uma notícia for real, ela, com certeza, já foi repercutida em vários portais. Simples assim. É impossível que somente um portal com um nome bizarro, como Sexta Plural, tenha a informação, e nunca acredite em títulos como \"Compartilhe Antes que Tirem do Ar\", ou ainda, \"Veja aquilo que a Globo não quer que você veja\":

“Uma notícia vai ter diversos pontos de vista em vários locais. Se não tiver, é falso, Nem compartilhe. E vale ficar de olho nas postagens de seus amigos nas redes sociais. Se achar algo errado, avise essa pessoa que aquilo está errado. A melhor maneira de fazer isso é no privado, mas se ela insistir em seguir compartilhando notícias falsas, coloque um link mostrando que a notícia é falsa nos comentários” completa Glomb.


Editorias: Educação  Internet  Mídia  Negócios  Sociedade  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Aroldo Antonio Glomb Junior  
Contato: Aroldo Glomb  
Telefone: 41-30147662-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.