E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Os professores merecem reverências
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site

Sim, merecem, mas é preciso também alguma reflexão sobre essa importante profissão: Como esse profissional se constitui? Qual é sua identidade e seu papel social nos tempos atuais?

Buscamos na sabedoria e na ternura de Paulo Freire a resposta para a primeira questão. Numa reflexão sobre a profissão docente Freire fez a seguinte afirmação:
“Ninguém começa a ser educador numa certa terça-feira às 4 horas da tarde... Ninguém nasce educador ou marcado para ser educador. A gente se forma como educador permanentemente na prática e na reflexão sobre a prática.”

Todos aqueles que abraçaram o magistério como profissão sabem o quanto essa afirmação é verdadeira. A formatura, nos cursos de licenciatura, nos torna legalmente aptos a lecionar, autorizados a exercer o ofício de ensinar. Contudo, é a partir do dia em que se inicia o exercício do magistério que começamos a nos tornar professores. Ao entrar em sala de aula, com alunos oriundos de meios sociais e culturais distintos, que trazem conflitos e dificuldades de diversas naturezas que interferem na aprendizagem... é nesse momento que o docente inicia sua prática e a reflexão sobre a prática.

Ao assumir compromisso com o ensino, o professor será então tomado por inquietações que o acompanharão por toda sua vida: Como ensinar? Meus alunos estão aprendendo? Que estratégias e recursos podem facilitar a aprendizagem? Para que estou ensinando? Ao se fazer tais interrogações mobiliza os conhecimentos obtidos na formação inicial e/ou continuada e assim a prática vai exigindo a contínua reflexão sobre a prática que se modifica e se aprimora. Aos poucos o professor vai se constituindo num constante exercício teórico-prático sempre com o objetivo de que os alunos aprendam. Não há rotina enfadonha no trabalho docente. Há sempre o que melhorar, o que aprender, o que refazer e de outra forma.

Esse processo de formação – que é uma práxis – não está descolado da identidade social e do valor político do professor. Ao contrário, depende dessa identidade e dessa valorização. Aqui entra a segunda questão a ser discutida.

O professor é o profissional que tem um dos papeis mais importantes para a transformação social. Muito mais do que simplesmente exercer a docência ele vincula sua ação profissional com a prática social, trabalha em favor do pensamento autônomo e crítico e pode produzir, com seus alunos, novos conhecimentos, que contribuam para uma sociedade mais humanizada.

Assim, o trabalho docente ultrapassa a necessária competência técnico-científica. Exige profundo conhecimento histórico e político para que possa ensinar de modo contextualizado o saber específico que leciona, abordando-o nas suas dimensões sociais e culturais, o que possibilita a formação crítica dos seus alunos. Trata-se de uma profissão potencialmente revolucionária.

Há, então, uma relação intrínseca, uma indissociabilidade entre o processo de se tornar um professor – que é subjetivo – e o papel social e político desse profissional – que é construído pela sociedade e pelas relações políticas de cada época.

Então, em condições sociais favoráveis à educação o professor é valorizado, se aprimora e seu trabalho contribui com mais efetividade para a transformação social. Por outro lado, em condições desfavoráveis à educação há cada vez menos interessados no magistério, há um esvaziamento das licenciaturas e o professor em atuação se enfraquece, perde vigor social, torna-se um profissional frustrado e infeliz.

Por isso, a maior homenagem que se pode prestar aos professores no seu dia vai além de reconhecer a importância desse profissional, ultrapassa as palavras emocionadas que os elogiam. A maior homenagem é manter constantemente em pauta a discussão sobre a formação do professor e suas condições de trabalho. E todos nós, como sujeitos que constituem a sociedade, assumirmos a nossa parte da responsabilidade pela educação que temos hoje. Assim poderemos dar um Viva ao professor! Para que os professores vivam!

Maria Eneida Fantin - docente no curso de Pedagogia do UniBrasil Centro Universitário.

Editorias: Educação  
Tipo: Artigo  Data Publicação: 14/10/15
Fonte do release
Empresa: Julia Nascimento  
Contato: Julia Nascimento  
Telefone: --

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Tags
•  EDUCAÇÃO  •  CULTURA  •  SAÚDE  •  TECNOLOGIA  •  INTERNET  •  TI  

Mais tags
O que são tags ?

Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.