E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




9 de julho, dia de orgulho do povo paulista - Itu na Revolução de 1932
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site
Bandeira da minha terra - Bandeira das treze listras.
Bandeira da minha terra - Bandeira das treze listras.


Quem se lembra?

Povo de pouca memória, muita gente não sabe o significado do próximo feriado estadual de 9 de julho. O assunto é pouco lembrado pela mídia e nas escolas não há nenhum trabalho sobre a efeméride que marcou um dos momentos mais importantes da história paulista no século passado. Oitenta e nove anos já se passaram. Todavia, precisamos como herdeiros da história, não nos esquecer dos oitocentos soldados e voluntários ituanos que deram suas vidas pela causa do respeito à Lei maior do Brasil, a Constituição.

De nove de julho a primeiro de outubro de 1932, o Estado de São Paulo pegou em armas para dar um basta ao governo com claras tendências ditatoriais, sob o comando de Getúlio Vargas. Na verdade, o movimento revolucionário começou no mês de maio de 1932, quando, na Praça da República, em São Paulo, durante uma passeata de protestos contra o governo, foram mortos quatro jovens – Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo. Foi o estopim da crise. Hoje eles são homenageados, eternamente, com o nome de MMDC que dá nome à principal Avenida de São Paulo – a 23 de Maio.

Quando chegaram a Itu as primeiras notícias sobre a possibilidade de São Paulo pegar em armas contra o chamado “governo provisório” de Getúlio Vargas, a cidade foi uma das primeiras a aderir ao movimento pela Constituição e respeito à autonomia do Estado.

O então 4º Regimento de Artilharia Montada, 4º RAM, atual glorioso Regimento Deodoro colocou-se em prontidão. Foi aberto o voluntariado e criou-se o 3º Batalhão de Caçadores Voluntários. O sobrado da Rua Paula Souza, onde funcionava o Grupo Escolar Cesário Motta, foi requisitado e transformado no quartel-general dos alistados de Itu.

Ituanos na revolução

Todas as autoridades de Itu, na época, prestaram algum serviço em favor da causa de São Paulo. Seus nomes imortais: Joaquim Galvão de França Pacheco (Prefeito), Oscar Marcondes Romeiro (Juiz de Direito), Manuel Bueno (Promotor de Justiça), Vital Fogaça de Almeida (Delegado de Polícia), Padre José Maria Monteiro (Vigário da Candelária), Graciano Geribello (médico) Brás Bicudo de Almeida e Felipe Nagib Chebel (futuros Prefeitos), Francisco Nardy Filho (historiador e pesquisador), Joaquim de Toledo Camargo (Presidente da Câmara), Epaminondas Teixeira Guimarães (coronel da reserva), Antônio Nardy Neto (organizador do BCV), o carioca Tenente Sylvio Fleming (morto no fronte), Antonio Ignácio dos Santos (Tunha), José Pereira Mendes (Zito Pereira) e Deodoro de Moraes Lima (médico) e outros heróis.

A participação feminina também foi ativa: Lilia Geribello, Didi Galvão, Artemira de Toledo Prado, Francisca das Chagas Messias (Nhá Chica), Laurinda de Francisco, Maria José de Arruda de Francisco e Ruth de Arruda, são alguns exemplos.

Derrota que se tornou Vitória

A revolução durou três meses. Sem apoio de outros estados, São Paulo foi derrotado. Para os perdedores foi uma vitória, porque, no ano seguinte, aconteceu a Assembléia Constituinte, que planejou novas leis para o País, inclusive dando cidadania eleitoral às mulheres e transformando o sufrágio em voto secreto.
Assim, durante três meses, Itu disse “Presente” em todos os acontecimentos relacionados à Revolução de 1932. Pena que essa história, aos poucos, é esquecida pela população, pelas autoridades e pelos meios de comunicação da Estância Turística de Itu. Provavelmente, não haverá nenhuma manifestação histórica/cultural na cidade.

Na atualidade, pouco se faz pela grandiosa história de Itu
Foi o que aconteceu no recente dia 18 de Abril, quando não houve uma palavra sobre essa importante data. Por coincidência do destino três das mais importantes instituições da Estância Turística de Itu – a Câmara Municipal, fundada em 18 de abril de 1657, com 364 anos; o evento da Convenção de Itu que aconteceu em de 18 de Abril de 1873, com 148 anos e a instalação do Museu Republicano em 18 de abril de 1923, com 98 anos, comemoram aniversário no mesmo dia.

Nenhuma das instituições comemorou a data histórica. Nos meios de comunicação da cidade, nenhuma alusão ao fato.
Os ituanos têm o sagrado direito à sua memória, a dialogar com seus antepassados, indagar de suas estátuas e de seus monumentos, sobre os mistérios dos acontecimentos remotos de sua história.

Autoridades, pensem nisto: Cidade que não cultiva sua memória não consegue eternizar seus feitos e sua história tende a desaparecer. As novas gerações precisam aprender, cultuar e respeitar a história de uma cidade de imenso patrimônio histórico/cultural, onde o Brasil colonial está vivo e conservado, com convivência harmônica com o moderno.
Às novas gerações – para lembrar o 9 de Julho

No ano de 1932, Guilherme de Almeida, o poeta campineiro, decidiu que ia ajudar São Paulo como pudesse com a genialidade de suas obras literárias. Mais do que isso, Almeida foi um combatente da Revolução e, após o fim das batalhas, acabou exilado em Portugal. Anos mais tarde ele seria homenageado com a Medalha da Constituição, instituída pela Assembléia Legislativa de São Paulo.

Sua maior prova de amor ao estado de São Paulo foi o famoso e belo poema conhecido como “Nossa Bandeira”. Guilherme de Almeida foi membro da Academia Paulista de Letras; do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (que já teve como presidente o ituano Prof. Roberto Machado Carvalho); do Seminário de Estudos Galegos, de Santiago de Compostela; do Instituto de Coimbra e da Academia Brasileira de Letras.

Nossa Bandeira

Bandeira da minha terra,
Bandeira das treze listras:
São treze lanças de guerra
Cercando o chão dos paulistas!

Prece alternada, responso
Entre a cor branca e a cor preta:
Velas de Martim Afonso,
Sotaina do Padre Anchieta!

Bandeira de Bandeirantes,
Branca e rota de tal sorte,
Que entre os rasgões tremulantes,
Mostrou as sombras da morte.

Riscos negros sobre a prata:
São como o rastro sombrio,
Que na água deixara a chata
Das Monções subido o rio.

Página branca-pautada
Por Deus numa hora suprema,
Para que, um dia, uma espada
Sobre ela escrevesse um poema:

Poema do nosso orgulho
(Eu vibro quando me lembro)
Que vai de nove de julho
A vinte e oito de setembro!

Mapa da pátria guerreira
Traçado pela vitória:
Cada lista é uma trincheira;
Cada trincheira é uma glória!

Tiras retas, firmes: quando
O inimigo surge à frente,
São barras de aço guardando
Nossa terra e nossa gente.

São os dois rápidos brilhos
Do trem de ferro que passa:
Faixa negra dos seus trilhos
Faixa branca da fumaça.

Fuligem das oficinas;
Cal que das cidades empoa;
Fumo negro das usinas
Estirado na garoa!

Linhas que avançam; há nelas,
Correndo num mesmo fito,
O impulso das paralelas
Que procuram o infinito.

Desfile de operários;
É o cafezal alinhado;
São filas de voluntários;
São sulcos do nosso arado!

Bandeira que é o nosso espelho!
Bandeira que é a nossa pista!
Que traz, no topo vermelho,
O Coração do Paulista!

07/07/2021

http://www.grandeitu.com.br
Raul Machado Carvalho – Editor
grandeitu@grandeitu.com.br

Editorias: Cultura e Lazer  Educação  Política  Sociedade  Turismo  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: www.grandeitu.com.br  
Contato: Raul Machado Carvalho  
Telefone: 11-55213483-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.